As Pedras do Silêncio

sábado, 16 de abril de 2011

Desde jovem ela foi tímida, conhecia pouca gente, por isso zelava pelas amizades que conseguia formar.
Seu problema era suas tentativas desesperadas de manter seus poucos amigos aceitando e concordando com tudo, sem voz para dizer o que realmente sentia, queria e pensava.
A cada ato de auto-anulação, ela sentia como se pegasse uma pedra na carga de outra pessoa e guardasse em sua própria. A princípio isso não pareceu ser um grande problema, mas com o tempo ela começou a sentir-se pesada, cansada, cheia, até que no meio do caminho simplesmente parou.
Sentou-se ao lado do monte de pedras que, sem querer, ela juntou por um tempo e viu que a única pessoa que tinha culpa por todo peso que levava era ela mesma.
Decidida a mudar, na oportunidade seguinte falou o que realmente pensava sobre o o assunto em questão e então se sentiu como sendo sua vez de partilhar suas pedras com outros. Sentiu-se mais leve e gostou.
Um tempo depois seu saco de pedras ainda não estava vazio pois suas amizades eram importantes, sendo assim era necessário carregar algumas pedras pelo bem da amizade. Mas ela aprendeu a ter voz. Sua carga não estava mais tão cheia quanto antes pois ela aprendeu a dividir suas pedras.
Passou a confiar mais nela mesma. Deixou por fim de ser a garota tímida e passou a ser por inteira quem ela era no íntimo.

6 comentários:

Eduardo Montanari disse...

Mais um magnífico texto que me cabe como uma luva. Não porque eu precise tomar essa atitude, mas porque já a tomei e sei o quanto é libertador fazer isso. Parabéns pela excelente psotagem.

Scullysta disse...

ah,fale serio,os dois estao sumidos mesmo.ja to comentando aqui pra aparecer de vez,belo texto em?e vc ainda fica dizendo q nao leva jeito,imagine se levase........bjus!nao some nao!!!

sobrefatalismos disse...

Oi Larissa, se você passar po aqui, já sabe...

Samanta disse...

Olá, adorei a postagem !
Descreve bem o que acontece quando estamos ansiosos pela aceitação e acabamos por nos sobrecarregar desnecessariamente... Podemos cultivar as relações mesmo tendo atitude e opinião, e com certeza seremos respeitados e admirados, se estes laços forem verdadeiros.
Tirar este peso das costas e da vida, só nos enriquece como pessoa !
Um enorme abraço e boa semana !

larifest disse...

Ainda verei esse nome Levi Ventura em livros, receio, que esses textos aumenta a capacidade disso acontecer, meu caro escritor preferido, meu amigo falso, de todas as horas, meu baby sumido, meu amor de outrora, tbm quero avaliações lá no meu, parabéns aí pelo sucesso, que esse seja mais um de muitos outros que marcará sua hist´ria, bjão meu querido.

Beth Muniz disse...

Ta vendo!
Como posso te abandonar?
Lindo texto.
Quando as pedras do silêncio resolvem falar, a verdade interior se revela.
Parabéns querido.
Siga em frente. potencial tens de sobra.
Grande beijo.

 
diHITT - Notícias